HIPÓTESE DOCUMENTÁRIA:MODERNISMO VERSUS ORTODOXIA

Hipótese documentária foi o nome dado a um conjunto de teorias construídas por dois eruditos alemães, Graff e Wellhausen, que propunham uma autoria múltipla para o Pentateuco.Esses autores foram retirados de quatro grandes linhas de tradição literárias, as quais são: J, E, D, e S.

J (o Javeista ou a fonte de Jerusalém) usa o Tetragrama (YHVH) como o nome de Deus. O interesse da fonte indica que ela foi ativa no reino do sul de Judá na época do reinado dividido. J é responsável pela maioria do Gênesis.
E (o Elohista) usa Elohim ("Deus") como o nome divino até Êxodo 3-6, onde o Tetragrama é revelado a Moisés e a Israel. Essa fonte parece ter vivido no reino do norte de Israel durante o reinado dividido. E escreveu o conto da aquedá (a atadura de Isaque) e outras partes de Gênesis, e bastante de Êxodo e Números.

J e E foram combinados como um só trabalho bem cedo, aparentemente depois da queda do reino do norte em 722 AEC. É geralmente bastante difícil de separar as histórias de J e E depois da fusão.

D (o Deuteronomista) escreveu quase todo o livro de Deuterônimo (e provavelmente também os livros de Josué, Juízes, Samuel, e Reis). Acadêmicos muitas vezes associam Deuterônimo com o livro achado pelo Rei Josias em 622 AEC (veja 2 Reis 22)

S (a fonte Sacerdotal) forneceu o primeiro capítulo de Gênesis, Livítico e outras seções com informação genealógica da classe de sacerdotes e culto. De acordo com Wellhausen, S foi a informação menos antiga. Os sacerdotes colocaram a Torá na sua forma final um pouco depois de 539 AEC.

R (o Redator) pode ser a mesma pessoa que S, mas foi a pessoa que juntou todos os trabalhos de J, E, S, e D para concluir a Torá que conhecemos hoje em dia.

Eruditos críticos mais contemporâneos não concordam com Wellhausen e entre eles próprios, especialmente no detalhe de quem foi adicionado por último, se D ou S. Mas todos eles concordam que o que é abordado em geral pela Hipótese Documentária é a melhor explicação pelas histórias dúplicas, tríplicas, contradições, diferenças na terminologia e teologia, e os interesses geográficos e históricos que encontramos em
várias partes da Torá.

Estas são algumas diferenças entre as quatro linhas de tradição:
J (Javeista):
Escritos se focam na humanidade.
Pode possivelmente ser uma mulher. Os escritos dele(a) mostra mais sensitividade a mulheres do que E.
Dá ênfase a Judá (sul).
Dá ênfase aos líderes.
Fala de Deus em maneira antropomórfica.
Deus anda e fala com as pessoas.
Deus é YHVH.
Usa "Sinai".
O hebraico usado foi provavelmente escrito entre 848 AEC e 722 AEC.

E (Eloista):
Era um homem.
Dá ênfase ao Reinado de Israel (norte).
Dá ênfase a profecias.
Escreveu os 10 mandamentos em Êxodo 20.
Fala de Deus em uma forma aprimorada.
Deus se comunica com humanos nos sonhos.
Deus é Elohim (até Êxodo 3).
Hebraico provavelmente escrito entre 922 AEC e 722 AEC.
Pode ser um sacerdote que vê Moisés como um ancestral espiritual.
Sinai é "Horeb"

S (Sacerdotal):
Era um sacerdote que identificava Aarão como seu ancestral espiritual.
Não concordava com o trabalho de J, E, e D; criou uma história alternativa.
Viveu depois de J, E, e D porque conhecia os livros dos profetas que os outros não conheciam.
Viveu quando a religião chegou ao estágio Sacerdotal/Jurídico, antes da destruição de Jerusalém em 587 AEC.
Dá ênfase a Judá (sul).
Dá ênfase ao culto.
Fala de Deus de forma majestosa.
Vê um Deus distante, menos pessoal que J e E; algumas vezes crítico e severo. A palavras "misericórdia", "graça", e "arrependimento" não aparecem nos seus escritos (embora aparecem 70 vezes nos escritos de J, E, e D).
Aborda Deus através de cultos.
Deus é El Shadai e Elohim.
Tem geneologias e listas.

D (Deuteromomista):
Viveu depois de J e E, porque sabia sobre acontecimentos mais recentes na história de Israel.
Viveu em uma época em que a religião do antigo Israel estava em seu estágio espiritual/ético (cerca de 622 AEC).
Era provavelmente um sacerdote levítico. Talvez Jeremias.
Um segundo escritor editou o texto original depois da destruição de Jerusalém em 587 AEC.
Põe ênfase em um santuário central.
Promove fidelidade à Jerusalém.
Fala de Deus lembrando de Seu trabalho.
Método moralista.
Deus é YHVH.
Inclui longos sermões.

R (Redator):
Foi um sacerdote Aaronita, o que significa que era um homem.
Juntou os trabalhos de J, E, D, e S para finalizar a Torá como ela é hoje.

Embora a hipótese documentária possa ser uma teoria bem atrativa e sedutora, não recebe apóio da ortodoxia evangélica, muito menos pode encontrar apóio no testemunho interno da própria Escritura. Jesus e mesmo os apóstolos, eram de comum acordo que o texto do Pentateuco era da autoria de Moisés.