É POSSÍVEL UMA FILOSOFIA CRISTÃ?


A palavra Filosofia vem do grego: FILOS e SOFIA. FILOS é um derivado do verbo FILEIN, que significa AMAR. SOFIA quer dizer SABEDORIA. Por tanto, a Filosofia quer dizer “Amor a Sabedoria”. Na antiguidade grega se chamava filósofo a todo aquele que tinha ou inclinação ou tendência aos conhecimentos mais profundos acerca da natureza, o homem e Deus.

O objetivo da filosofia é estudar toda a realidade, tudo quanto existe ou pode existir. Enquanto algumas ciências se ocupam de terrenos limitados, se referem com exclusividade a certos grupos de seres. Devido a isto, são chamadas ciências particulares. A filosofia estuda todas as coisas, toda a realidade, todo ente(ente é tudo o que existe ou pode chegar a existir), tanto o material como o espiritual, o orgânico como o inorgânico, os seres naturais ou os seres criados pela homem (artefatos, cultura, etc.). A diferença das ciências particulares, que estudam as explicações imediatas ou causas diretas das coisas, a filosofia só se interessa pelas causas supremas ou explicações últimas e definitivas da realidade.

A maioria dos cristãos pensam que a filosofia é só pensamento secular e que, por conseguinte, não pode existir uma filosofia cristã pois isso implicaria em uma contradição, já que o secular não é cristão. Esta asseveração nos leva, por lógica, a conclusão que toda filosofia é contrária à bíblia, estabelecendo deste modo uma condição de luta entre filosofia e a bíblia. Porém, é de fato a filosofia contrária ao que a bíblia nos ensina acerca da natureza da realidade e das coisas? Antes de entrarmos mais neste assunto, creio que seria útil darmos uma olhada em Colossenses 2.8 : “ cuidado que ninguém vos engane por meio de filosofias e vãs sutilezas, segundo as tradições dos homens, conforme os rudimentos do mundo, e não segundo a Cristo”. Em outra versão lemos:” Tenham cuidado; não se deixem levar por quem vos querem enganar com teorias e argumentos falsos, pois eles não se apóiam em Cristo, mas sim nas tradições dos homens e em poderes que dominam este mundo”.

Também podemos traduzir esta passagem da seguinte maneira: “tomem cuidado para vocês não se tornarem cativos por uma filosofia vã e enganosa, que depende da tradição humana e dos princípios elementares deste mundo em vez de Cristo”.

Observamos em primeiro lugar o que a bíblia diz:” Não sejam cativos por uma filosofia vã”, mas sim sejam cativos por Cristo”(leia 2 Co 10.5). É claro que quando fala de filosofia vã está falando de uma filosofia que não tem substância, que não oferece consistência, uma filosofia que não pode resistir a nenhuma classe de exame sem ficar exposta. Em segundo lugar, encontramos “filosofias vãs... que depende da tradição humana e dos princípios elementares deste mundo em vez de Cristo. Isto deixa claro que Paulo não era contra a toda filosofia, mas sim aquela que segue a tradição humana em vez da de Cristo. De modo que é possível sim falarmos de uma filosofia cristã.
Quando falamos de uma filosofia cristã estamos nos referindo a uma atividade intelectual na qual
Uma pessoa cristã está disposta a pensar descritivamente acerca da realidade e suas causas supremas em dependência da revelação divina.

A filosofia cristã rechaça as respostas falsas e declara que a única filosofia válida é aquela que está de acordo com Cristo. Enquanto a filosofia humana exclui a Deus e a sua revelação, e põe o homem como o juiz supremo. A filosofia cristã coloca Deus e sua revelação como o fundamento de toda a atividade filosófica e critério supremo de toda a verdade. Como podemos ver, a diferença básica entre filosofia humana e cristã é seu fundamento. Uma fomenta a independência de Deus e a outra, a dependência Dele.